BB et Birkin

Moda, Música

Serge Gainsbourg e as suas musas | De Brigitte Bardot a Jane Birkin qual a mais icónica?

4 Abr , 2015   Gallery

Se fosse vivo, o grande cantor, fantástico pianista e enorme compositor, Serge Gainsbourg, teria feito dia 2 deste mês, 87 anos. A sua imagem de marca era incontestavelmente o cigarro na boca. Controverso, mas de um talento imenso, é actualmente um dos meus músicos preferidos. Icónico, é autor da (muito censurada) intemporal “Je t’aime moi non plus”, que compôs com e para Brigitte Bardot, que a interpretou, mas que acabou por ser oficialmente lançada e difundida na voz de Jane Birkin. Era conhecido também pelo seu charme inexplicável, que podendo ser de díficil compreensão, é indubitável, no que toca às suas conquistas. Prova disso são as suas duas grandes musas, Brigitte Bardot, com quem teve um caso (visto que BB era casada) e Jane Birkin com quem casou e teve filhos.

 

gainsbourg

 

Para celebrar o aniversário de Gainsbourg, fazemos uma pequena análise às suas grandes divas. E deixamos a dúvida no ar, qual a mais icónica?

Ambas foram e são verdadeiros símbolos sexuais e da moda. Ambas arrojadas, ambas de uma beleza natural invejável, ambas detentoras de um estilo único. Mulheres talentosas, de personalidade forte, tiveram uma carreira que passou pela representação, pela música e pela moda.

Estávamos nos anos 60. Brigitte era sem dúvida femme fatale, de lábios carnudos era naturalmente sexy, por todos os seus poros transpirava sensualidade e não só. Esta senhora sabia o que fazia. Não tinha medo de assumir as suas formas voluptuosas, e de forma muito natural, ela ditava as tendências, sem restrições, literalmente o que ela usava tornava-se o “must have”. Uma das primeiras a usar bikini na praia, a abdicar do uso de collants no verão, e a fazer do xadrez vichy moda. Fervorosa adepta da mini-saia, promoveu o seu uso com botas de cano alto, e usava-as como ninguém, com muita atitude!

 

mini-saia-e-botas

 

 

 

brigitte_riscas_gabardine

 

Birkin não lhe ficava atrás, na medida em que era ainda mais arrojada. Pode-se dizer que foi protagonista das primeiras cenas de nu frontal no filme britânico dirigido ao grande público, ao representar em Blow up. Ela era mesmo a rainha do topless, contra tudo e contra todos (incluindo a família), a actriz não se privava de expor o seu corpo, usava vestidos transparentes e mega decotes.

 

 

Também ditava regras no mundo da moda, de estilo descontraído, mas original. Era mais franzina comparada com BB, mas tinha também uma beleza natural, entre o ar de menina (caracterizado pelo seu físico e feições singelas) mas ousada na atitude e guarda-roupa.

 

 

Talvez muitos não saibam, que a famosa Birkin Bag, da Hermès, se deve a Jane e foi desenhada por indicações da própria, que num curioso encontro com Hermès num avião, ela mencionou a falta de uma mala à medida das suas necessidades, que até aí não existia. A diva, usava um cesto em vez das convencionais malas de senhora, esta também uma imagem de marca, de Birkin.

 

Slogan (1969)

 

birkin_riscas

 

jane birkin

 

Se olharmos com atenção, o que elas usavam, pode ser perfeitamente utilizado na actualidade, diria até mais, nas fotos escolhidas o que elas usam vai-se usar nas próximas estações: chapéus, camisas, jeans com boca de sino, alpercatas, micro vestidos, vermelho e marinho, tons de rosa, e riscas, muitas riscas em todo o lado.

A escolha entre uma e outra é difícil. No fundo elas até eram parecidas, não só pela paixão louca que tiveram por Gainsbourg, mas também pelo espírito inovador que protagonizaram na sua era. Verdadeiras referências que nos acompanharão sempre.

Cátia Marcelino

Comments

comments

, , , , , , ,