novo palácio da ajuda

Arquitectura

Palácio da Ajuda vai ser acabado 222 anos depois | Será que é desta?

20 Set , 2016  

Conheceu inúmeros projetos e tentativas de remate, mas hoje é a sério. Há programa, projeto e dinheiro para a conclusão: 15 milhões de euros repartidos pelo ministério da Cultura, a Câmara de Lisboa e a Associação de Turismo

Arcos e paredes integrados, vista privilegiada para o Tejo e dois novos espaços para visitar: as caixas fortes que guardarão as joias da coroa e os tesouros da ourivesaria. O aspeto inacabado do Palácio Nacional da Ajuda será passado uma vez concluído o projeto que hoje será apresentado para o único monumento, em Lisboa, que documenta a vida da monarquia. A obra custará 15 milhões de euros ao ministério da Cultura, à Câmara Municipal de Lisboa e à Associação de Turismo de Lisboa (ATL).

“O que se vai fazer é fechar aquela ala com uma volumetria semelhante à que já existe”, explica ao DN o arquiteto responsável pelo projeto, João Carlos Santos, subdiretor do Património Cultural. O remate do Palácio em linguagem atual e deixando bem à vista que se trata de uma intervenção contemporânea, prevê a requalificação da Calçada da Ajuda e a relação com o Jardim das Damas, recuperado há poucos anos mas não mostrado ao público. A rua, reabilitada entre a Alameda dos Pinheiros e a rua das Açucenas manter-se-á transitável de carro e de elétrico. O projeto prevê, aliás, que este meio de transporte pare à porta nessa espécie de par terre que receberá os visitantes – turistas ou oficiais. Esta continuará a ser sala nobre de receção dos grandes atos oficiais da República Portuguesa.

“É um palácio inacabado e não uma ruína”, frisa João Carlos Santos, para começo de conversa sobre o plano que hoje apresenta ao primeiro-ministro, António Costa. “O projeto inicial era três vezes maior”, explica. O que ele e a sua equipa no Património Cultural pensaram “é muito simples”. Pelo piso térreo, passando as bilheteiras, detetor de metais e outros procedimentos de segurança obrigatórios, entra-se – do lado direito – para o segundo piso. É lá que vai ficar a caixa forte que guarda as joias da Coroa. O terceiro piso está reservado para a coleção de peças de ourivesaria. “No final, há uma cafetaria com uma vista excelente sobre o Tejo”, explica o arquiteto. “Como quem vai à Tate Modern e tem uma vista fantástica sobre a cidade de Londres”, compara. Ponto que faz questão de frisar é que o novo edifício, com dois torreões que alinham com os da ala norte, fazem um equilíbrio arquitetónico, mas também melhoram a acessibilidade ao palácio.

Pensado com a equipa multidisciplinar que tem trabalhado o projeto, e que inclui o diretor do Palácio Nacional da Ajuda, José Alberto Ribeiro, não haverá comunicação entre o atual palácio-museu e os novos espaços. “Ponderámos a hipótese, mas por razões de segurança abandonámos a ideia”, nota. Mas, também, para que se mantenha a entrada no Palácio da Ajuda onde sempre esteve, quando era morada da família real portuguesa.

Palácio inacabado, não ruína

Foi aqui que a família real se refugiou depois do Paço da Ribeira ter caído no Terramoto de 1755. Era a Real Barraca, uma casa de madeira que ardeu, a que sucedeu o projeto barroco do arquiteto régio Manuel Caetano de Sousa, de 1796, que sofreu alterações em 1802 para se adequar ao gosto neoclássico. A construção parou com as invasões francesas e foi habitação real a partir de 1826. D. Luís e D. Maria Pia fizeram grande uso do local a partir de 1861 e a decoração tem marca forte da rainha de origem italiana. Foi protegido do saque por um fervoroso republicano em 1910 e converteu-se em museu em 1968.

Para esta ala, a poente, foram pensados vários destinos. De Raul Lino, nos anos 40, como diretor dos Monumentos, a Gonçalo Byrne, nos anos 80, a uma outra concebida pela equipa dos Monumentos que chegou a ser iniciada, mas não concluída, as propostas somam-se. Quase todas previam desviar a Calçada da Ajuda e foi já no século XXI que se pensou completar o palácio para albergar as joias da coroa e a coleção de ourivesaria.

João Carlos Santos, que trabalha no projeto desde 2006, diz que “para concretizar esta obra o investimento tem de ser controlado”. “Esta solução permite rentabilizar e preservar a Calçada da Ajuda”, explica.

Quando o projeto, “fundamental para dar dignidade ao palácio”, nas palavras do arquiteto, estiver concluído, no final de 2018, será evidente o que é construção de hoje, como ditam as cartas e convenções internacionais de boas práticas de restauro e reabilitação, explica o também responsável pelos trabalhos de recuperação do Mosteiro de Tibães, em Braga, e da Igreja e Torre dos Clérigos, premiada na semana passada com o prémio Vilalva da Fundação Gulbenkian para a recuperação de património.

“Serão usados novos materiais, uma nova linguagem, que preservam a unidade de leitura do conjunto”, conta. Depois da apresentação vai começar-se a trabalhar nestes detalhes.

A adjudicação da obra está prevista para meados de 2017. Obra e museografia deverão estar prontas 18 meses depois, em dezembro de 2018. Os 15 milhões do financiamento serão repartidos pelo ministério da Cultura, através da DGPC, que entrará com 4 milhões de euros (uma parte dos 6 milhões de euros da indemnização pelo roubo das joias em 2002, em Haia), e pela da Câmara de Lisboa, através da Associação de Turismo de Lisboa (ATL). Da taxa turística municipal, gerida por esta entidade, virá a mais importante fatia do financiamento, 6 milhões de euros, a que acrescem mais 2 milhões de receitas próprias e 3 milhões de um empréstimo a contratualizar. As três entidades celebraram um protocolo de 20 anos. Prevê-se que o investimento esteja pago ao fim de 12 anos, a partir do que repartirão os lucros. As estimativas apontam para 200 mil o número de entradas por ano.

Fonte: DN

Comments

comments

, , ,